Transição de Tarcísio garante cabide para bolsonaristas e mira Sabesp

Publicado em 25/11/2022 11:07

Tamanho da fonte:

Projeto Tietê, Sabesp. Foto: Divulgação.

No último dia 22 de novembro, o coordenador-geral da equipe de transição da futura Tarcísio de Freitas, Guilherme Afif Domingos, apresentou o nome dos 105 membros que comporão a equipe. A lista indicada para oito grupos de trabalho sinaliza a acomodação de membros da equipe do presidente derrotado Jair Bolsonaro (PL) e de nomes ligados a Gilberto Kassab.

No anúncio não só ficou confirmado o aparelhamento do governo de São Paulo com o exército de Jair Bolsonaro, como também que o governador eleito não irá alterar a quantidade de pastas já existentes no atual governo, 23 no total.

Logo, a pauta defendida pelo Sintaema de reestruturação da Secretaria do Meio Ambiente no estado com vistas a fortalecer a pasta e ampliar a aplicação de recursos para políticas no setor – proposta também defendida pelo candidato Fernando Haddad (PT) – não se efetivará. De acordo com o anúncio, o governo eleito tratará a gestão ambiental de forma transversal e altamente focada com a infraestrutura.

Entre os nomes do governo Jair Bolsonaro que virão para o governo de São Paulo estão Marta Lisli Ribeiro de Moraes Giannichi, que ocupou cargo no Departamento de Conservação Florestal e Serviços Ambientais, da Secretaria da Amazônia do Ministério do Meio Ambiente. Vale lembrar que o bioma sofre atualmente com um dos mais ferozes ataques e computa recorde em desmatamento e queimadas.

Sabesp na mira de Tarcísio

 A privatização da Sabesp, terceira maior empresa de saneamento do mundo, está no radar de Tarcísio de Freitas e, para esse tema, o governador eleito está montado uma equipe de transição que irá trabalhar com a proposta. Já são nomes confirmados Paulo Ferreira, ex-superintendente e Sabesp, ex-diretor na CETESB e secretário-adjunto do Meio Ambiente.

Também comporá a Natália Resende Andrade Ávila, consultora do Ministério da Infraestrutura de Bolsonaro e pesquisadora na área de Parcerias Público-Privadas. Além dela, também fará parte Marco Aurélio Costa, economista especialista em planejamento urbano, técnico do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

 Especulação imobiliária x meio ambiente

No ponto habitação e transporte, a lista de contemplados é ampla e segue à risca a influência de Gilberto Kassab. Farão parte da equipe Miguel Bucalen, ex-secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano; o vice-presidente do Secovi [maior sindicato do mercado imobiliário da América Latina], Claudio Bernardes; o engenheiro e ex-secretário secretário de Habitação do município e do Estado de São Paulo, Lair Krahenbuhl; o ex-secretário de Habitação do Município de São Paulo e ex-diretor-presidente da Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo (Cohab), Ricardo Pereira Leite; e Marcelo Branco, ex-secretário Municipal de Transportes em São Paulo.

Esses nomes têm em comum um projeto de cidade e estado voltado para a especulação imobiliária de forma desenfreada e sem cuidados com o meio ambiente. Isso porque, habitação e transporte são temas transversais ao meio ambiente, com impactos como o estímulo à construção ilegal em áreas de mananciais e ao uso do transprote individual e automotivo, com consequente emissão de gases das mudanças climáticas (GEE).

O Sintaema conclama toda a sua base para ficar vigilante e mobilizada contra a ameaça de privatização da Sabesp, CETESB e Fundação Florestal, três órgãos essenciais para a preservação do meio ambiente e defesa da vida que, diuturnamente, são atacados pelas gestões tucanas e agora estão ameaçadas pelo bolsonarista Tarcísio de Freitas.

Com informações do (O) ECO

Compartilhe agora com seus amigos
TwitterFacebookWhatsApp

Voltar ao Topo