Desejo de mudança e retomada dos direitos dão o tom no Seminário de Aposentados (as) do Sintaema

Publicado em 14/05/2022 11:19

Tamanho da fonte:

“Não podemos mais admitir um governo que desrespeita e ataca direitos”, afirmou o presidente José Faggian durante o segundo dia de debates do 14º Seminário de Aposentados e Aposentadas do Sintaema que acontece em Itanhaém (SP), neste sábado (14).

Os debates do segundo dia do Seminário contaram com a presença do pré-candidato a deputado estadual Renê Vicente, o deputado federal Orlando Silva e o o ex-presidente do Sintaema e secretário de Relações Internacionais da CTB Nacional Nivaldo Santana.

Leia também: Abertura do 14º Seminário dos Aposentados é marcada por reencontro e clima de luta

“O Seminário está se constituindo como um espaço importante de reflexão sobre o que vivemos atualmente. O momento nos cobra muita luta para virar esse jogo e essa virada passa pelas eleições deste ano e da eleição de candidatos e candidatas comprometidos com os nossos anseios, comprometidos com o país e que tenha como proposta um projeto que enfrente a crise e cenário de miséria para o qual o Brasil foi empurrado”, afirmou Faggian.

Projeto Nacional de Desenvolvimento

Ao destacar o papel da classe trabalhadora no processo de mudança do país, o pré-candidato a deputado estadual e diretor do Sintaema, Renê Vicente, voltou a denunciar as gestões João Doria e Jair Bolsonaro. “Gestões privatistas, que não se envergonham em atacar direitos e desmontar o Estado. Nossa luta é juntamente contra esse projeto, que garante os interesses das elites, do sistema financeiro, enquanto nosso povo marcha na fila do osso, padece com o desemprego e a precarização e é empurrando para um horizonte de desalento e desesperança”, afirmou Vicente.

Ao denunciar que Jair Bolsonaro pisa na Constituição e ataca de forma aberta as instituições democráticas, o ex-presidente do Sintaema e secretário de Relações Internacionais da CTB Nacional Nivaldo Santana, destacou que o caminho para reverter todo o desmonte imposto por Bolsonaro e abrir caminho para a reconstrução do país está na efetivação de um projeto nacional de desenvolvimento que gere emprego e distribua a renda.

“Atravessamos uma conjuntura muito adversa e que pesa ainda mais para nosso povo, o povo trabalhador. Jair Bolsonaro pisa na Constituição e ataca de forma aberta as instituições democráticas e não restam dúvidas que Bolsonaro é muito ruim para o país. E não nos enganemos, o Brasil precisa de um governo de reconstrução nacional, com geração de emprego, valorização da renda e horizonte de futuro e quem mais representa esse projeto é o candidato Luiz Inácio Lula da Silva. E, além de eleger um novo projeto para o Brasil, precisamos também mudar a configuração nas Casas Legislativas e Renê Vicente é um quadro preparado para isso. Precisamos de uma voz na ALESP e Renê Vicente pode cumprir um grande papel nisso”, defendeu Nivaldo Santana.

Presente no 14º Seminário dos Aposentados e Aposentadas, o deputado Orlando Silva destacou os desafios postos para 2022 e o que está em jogo. “O que está em jogo é o nosso futuro, futuro do país, nossos direitos. O Brasil vive uma etapa trágica de sua história, com o desmonte do Estado e de setores estratégicos, como Saúde e Educação. Ao invés de se ter um Estado garantidor de direitos para o povo, temos um governo que usa o Estado contra a população. E é contra isso que lutamos e é contra isso que Renê [Vicente] irá lutar na ALESP”, afirmou o deputado Orlando Silva, ao comentar a conjuntura nacional.

Para indicar a centralidade do Estado, Orlando destacou o papel do SUS na pandemia. “O Sistema Único de Saúde e seus trabalhadores e trabalhadoras forma fundamentais para salvar vidas e garantir chegarmos até aqui. Logo o SUS é a prova que só com um Estado forte e trabalhadores valorizados teremos chance de transformar nosso estado e o país”, destacou Orlando.

Confira como foi o debate aqui:

Compartilhe agora com seus amigos
TwitterFacebookWhatsApp

Voltar ao Topo