Assembleia Legislativa do RS aprova por 33 votos projeto de privatização da Corsan

Publicado em 01/09/2021 16:17

Tamanho da fonte:

Pressão de trabalhadores não foi suficiente para barrar Projeto de Lei 211/2021, que permite venda da estatal gaúcha

Placar virtual da Assembleia Legislativa do RS, com o resultado da votação do PL 211/2021: 33 votos favoráveis e 19 contra – Reprodução

Pedro Neves Dias
Brasil de Fato | Porto Alegre | 31 de Agosto de 2021 às 18:39

Foi aprovado no Plenário da Assembleia Legislativa do RS o Projeto de Lei 211/2021, que autoriza o governo de Eduardo Leite a encaminhar a desestatização da Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan). Foram 33 votos favoráveis e 19 contrários. Na prática, está autorizada a venda e consequente privatização da Companhia.

O PL estava para votação desde o dia 25, trancando a pauta a partir da data de hoje. Encaminharam voto contrário as bancadas do PT, PDT e PSOL, conformando 13 votos. Além destes, votaram contra o projeto os deputados Thiago Simon (MDB), Thiago Duarte (DEM), Capitão Macedo (PSL), Dalciso Oliveira (PSB) , Elton Weber (PSB) e Airton Lima (PL).

Durante a votação, a deputada Juliana Brizola (PDT) fez um apelo para que se ouvisse o pedido da Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs), que solicitou mais tempo para que os gestores municipais pudessem debater a privatização da Companhia. O pedido não foi aceito pelo plenário.

O deputado Giuseppe Riesgo (Novo) defendeu que a privatização da Companhia era a única forma de fazer cumprir as metas estipulados pelo Marco Legal do Saneamento. A afirmação foi contestada pela deputada Luciana Gerno (PSOL), que lembrou do SoluTrat, projeto dos técnicos da Corsan que visa universalizar o saneamento básico para todo o RS com recursos próprios da Companhia.

O deputado Edegar Pretto (PT) afirmou também que nunca imaginaria o momento em que um governador iria colocar em discussão a privatização de uma empresa altamente lucrativa. No mesmo sentido o deputado Pepe Vargas (PT) disse ter convicção de que, no futuro, “ao olharmos para trás, veremos que o saldo de saneamento do estado foi negativo, e que não se cumpriu as metas”.

Ainda serão votados nesta terça-feira os projetos que permitem a regionalização do serviço de água e saneamento no estado.

Fonte: Brasil de Fato – Rio Grande do Sul

Compartilhe agora com seus amigos
TwitterFacebookWhatsApp

Voltar ao Topo