Luta de Classes MLC

Publicado em 22/10/2013 00:00

Tamanho da fonte:

Faça parte do Movimento Luta de Classes – MLC
O MLC é uma corrente nacional de trabalhadores e trabalhadoras organizada desde 2005. É um movimento que luta pelos direitos da classe trabalhadora e pelo socialismo.
O MLC acredita que o movimento sindical precisa se renovar retomando os principais processos de luta do povo brasileiro. Para nós, a organização por local de trabalho, visando mobilizar os trabalhadores e romper com práticas burocráticas, é fundamental.
O MLC luta contra a privatização e pela reestatização das estatais brasileiras que foram privatizadas. O Brasil vive um novo ciclo de privatização de suas riquezas nos dias atuais, ainda que com novos nomes como concessões e Parcerias Público-privadas. Rodovias, portos, aeroportos, ferrovias e poços de petróleo estão sendo vendidos exatamente pelo governo que usou a bandeira contra a privatização como arma de propaganda. Acreditamos que é papel do movimento sindical estar na linha de frente contra a privatização.
Defendemos o fim da terceirização como prática de precarizar os direitos do trabalhador. Os patrões e o governo têm feito um grande esforço para retirar tudo que de positivo foi conquistado com a CLT. Mesmo com a resistência dos trabalhadores, vários direitos estão sendo retirados na prática através da terceirização e de outras formas de precarização do trabalho. O movimento sindical deve organizar na base a luta dos trabalhadores terceirizados e impedir que os direitos dos trabalhadores sejam retirados através da terceirização.

NÃO À PRIVATIZAÇÃO DO PETROLEO! PELO CANCELAMENTO DO LEILÃO DE LIBRA!
O governo federal marcou para o dia 21 de outubro um leilão que objetiva vender a principal reserva de petróleo atual do Brasil, o poço de libra, localizado na camada pré-sal do litoral brasileiro. São estimados U$ 1,5 trilhão em petróleo, muito dinheiro. Um reserva estratégica fundamental para o nosso futuro.
Para piorar, o leilão acontece no momento em que as atividades de espionagem do governo dos Estados Unidos estão mais do que evidentes, demonstrando que as potências imperialistas têm interesse em nosso petróleo e reservas naturais.
Todas as categorias de trabalhadores devem realizar mobilizações para impedir essa privatização e defender a soberania do Brasil.

Derrotar o projeto privatista do PSDB
Alckmin, repudiado cada dia mais pelo povo paulista, implementa o pior governo desses quase vinte anos em que o PSDB está no palácio dos bandeirantes. Afundado em graves denúncias de, Alckmin é responsável pela permanência de um esquema de corrupção no Metrô e no Trem de São Paulo que existe desde a gestão Mário Covas. Professores, estudantes e até policiais militares realizam manifestações e denunciam o atual governo estadual.
Em sua gestão, Alckmin reforçou o caráter privatista do governo. Agora sob o nome de concessões e Parcerias público-privadas, o governo privatizou a linha 4 do metrô e até os presídios estaduais estão na mira. Em nosso setor não é diferente. A PPP do Alto Tietê e a PPP São Lourenço são exemplos de privatização que precisam ser combatidos pela categoria.
É o momento de realizarmos uma grande campanha contra a privatização, PPP´s e Concessões, mostrando para a categoria as reais intenções por trás dessa política, ou seja, gerar lucros para os capitalistas e péssimos serviços e altas tarifas para o povo.

Organizar as lutas dos terceirizados
A terceirização continua crescente em todos os setores da categoria. No caso da Sabesp, a perspectiva é que com a implantação do SiiS (novo sistema de gestão da empresa) a terceirização seja ainda maior. Todos sabemos que o objetivo da terceirização é pagar menores salários e diminuir direitos.
Em âmbito nacional, os patrões querem instituir a terceirização em todos os setores, aprovando o PL 4330 de autoria do deputado Sandro Mabel, dono da empresa Mabel de alimentos. É necessária uma greve geral para impedir a aprovação desse projeto.
Em nossa categoria, acreditamos que é necessário dar respostas efetivas a esse processo de terceirização de um lado organizando desde já as lutas dos trabalhadores terceirizados, através de comissões, paralizações e etc. De outro, é necessário incluir em nossa próxima acampanha salarial as reivindicações dos terceirizados pressionando as empresas que terceirizam serviços a cumprirem regras mínimas em respeito aos direitos dos trabalhadores.

Trabalho igual, Salário Igual – Sabesp

Em nossa última campanha salarial, arrancamos da direção da Sabesp a promessa de dar uma resposta ao fim do Salário Regional até fevereiro de 2014. O Salário Regional e uma grande injustiça que segue vigorando na empresa. Defendemos que o trabalho igual seja remunerado com salário igual e, portanto, o fim do salário regional.
Em nossa opinião, é necessário antecipar a campanha salarial do próximo ano para fevereiro com o objetivo de pôr fim ao salário regional através da luta dos trabalhadores.

Dirigida e ATS – Sabesp
Os trabalhadores da Sabesp precisam organizar, neste congresso, a luta pela retomada de direitos fundamentais que foram retirados nos últimos períodos. O Adicional por Tempo de Serviço – ATS, e o credenciamento para os companheiros que dirigem são direitos que não podemos abrir mão.
Defendemos que a campanha em torno desses temas aconteça durante todo o ano, com a eleição de comissões específicas que organizem mobilizações, material explicativo, atos e outras iniciativas.

Organizar a luta dos jovens trabalhadores
Uma importante parcela dos trabalhadores de todas as empresas da categoria é de jovens de até 30 anos. A participação dos jovens no mercado de trabalho continua marcante em nosso país, e é fundamental que o sindicato organize a luta dos jovens trabalhadores de maneira específica.
Precisamos criar, a partir desse congresso, uma comissão de juventude do Sintaema, que discuta temos como: formação e mercado de trabalho, gênero e opressões, relação com os movimentos sociais e papel das novas tecnologias.
As mobilizações de junho demonstraram a força da participação política da juventude nas ruas do Brasil. O sindicato precisa se renovar e avançar, valorizando a experiência e sabedoria dos mais antigos e dando voz ativa, também, à juventude.

Compartilhe agora com seus amigos
TwitterFacebookWhatsApp

Voltar ao Topo