Editorial

Publicado em 07/11/2005 00:00

Tamanho da fonte:

Há mais de dois meses a Sabesp impôs através do voto de qualidade no Conselho Deliberativo da Sabesprev a liquidação do Plano atual, bem como a constituição de um outro modelo de Plano previdenciário. Entretanto, o método adotado pela empresa foi o de realizar as mudanças da pior forma possível: goela abaixo, com pouca transparência, de forma obscura e com uma velocidade jamais vista. Isto gerou entre os participantes um clima de total insegurança e desconfiança quanto ao seu futuro na Sabesprev. Há um bom tempo que o Sintaema vem alertando que o Plano Previdenciário apresentava problemas estruturais e portanto merecedor de correções, mas esperávamos que este processo fosse permeado com democracia, informações e participação, o que não vem ocorrendo, criando assim uma grande insegurança em vários setores da Sabesp. O Sintaema vai defender os interesses dos trabalhadores em todos os fóruns e oportunidades que surgirem, inclusive já manifestamos oficialmente junto à Secretaria de Previdência Complementar nossa contrariedade em relação ao processo imposto pela Sabesp. Não deixaremos também de usar ações jurídicas se necessário for, mas esperamos que a diretoria da Sabesp, Conselho de Administração e Secretaria de Recursos Hídricos sensibilizem-se frente ao clima de insatisfação gerado, e reavaliem as medidas encaminhadas para a aprovação no Conselho Deliberativo da Sabesprev quanto ao pagamento paritário do déficit técnico atuarial. Esperamos também que assuma, enquanto liquidante, a totalidade (100%) deste déficit, e não pratique a majoração das contribuições a partir de janeiro, caso o plano ainda esteja em apreciação na Secretaria de Previdência Complementar, para que os participantes possam decidir sem a “faca no pescoço” sobre suas reservas previdenciárias. Uma pergunta que não cala: Qual é realmente a posição da Sabesp: resolver o problema do Plano Previdenciário ou liquidar com a Fundação? A diretoria

Compartilhe agora com seus amigos
TwitterFacebookWhatsApp

Voltar ao Topo