Fundação Florestal – Sem proposta, trabalhadores continuam em estado de greve

Publicado em 02/03/2016 21:46

Tamanho da fonte:

Em assembleia no dia 2 de março, trabalhadores da Fundação Florestal aprovaram por unanimidade continuar em estado de greve e seguir realizando protestos em diversas áreas, além de um ato público no dia 15 de março em frente à Secretaria de Meio Ambiente.

image_estado_de_greve_fundacao_florestal_sintaemaspO Sintaema e o CRF estiveram em audiência com a Secretária de Meio Ambiente, Patrícia Iglecias, na manhã do dia 2, quando expuseram mais uma vez a pauta dos companheiros da Fundação, em especial a ausência do reajuste salarial.

image_estado_de_greve_fundacao_florestal_sintaemasp_2

A secretária disse que levaria a questão ao governo no mesmo dia, já que participaria de uma reunião, e assim o fez, porém sem sucesso: na reunião o governo informou que não há recursos para o reajuste ou qualquer outro benefício.

Durante a audiência foi sugerido à secretária a criação de um grupo de trabalho para estudar uma política de RH na Fundação. A secretária foi receptiva e se comprometeu a analisar o pedido.

“O que podemos esperar de um governo que não se sensibiliza com o pleito de seus trabalhadores?”  Esta é a pergunta que não quer calar, desabafou o presidente do Sintaema, Rene Vicente, durante a assembleia.

“Sabemos que num momento de recessão é difícil para todas as categorias conquistarem reajustes ou o aumento real, porém o governo Alckmin não está nem aí para o pleito, nunca esteve, os trabalhadores que preservam e defendem os parques não são notados pelo governo, é um descaso total”, frisou o presidente.

Diante dessa inércia do governo os trabalhadores vão continuar com os protestos, principalmente até porque os já feitos até o momento tiveram repercussão na mídia e foram importantes instrumentos para divulgar à população o tratamento “VIP” que o governador dá a seus trabalhadores: reajuste zero!

No ensejo foi informado que o departamento jurídico já pediu via justiça a lista de trabalhadores que têm direito aos precatórios para dar andamento ao processo.

Sucateamento

Não bastasse a ausência de reposição salarial, o Sintaema flagrou a frota de carros sucateada, um verdadeiro desmonte do poder público. Alertamos os companheiros e companheiras que avisem o sindicato sobre todo tipo de precariedade na Fundação, falta de equipamentos, falta de uniformes e locais com condições inadequadas de trabalho. Vamos denunciar!

Confira abaixo as fotos:

Juntos na luta!
Compartilhe agora com seus amigos
TwitterFacebookWhatsApp

Voltar ao Topo