Trabalhadores sofrem nas mãos das terceirizadas

Publicado em 17/07/2014 00:00

Tamanho da fonte:

A empresa FIMM (The Billing Company) foi contratada há aproximadamente 60 dias para fazer leitura de hidrômetros na Sabesp da Unidade RJ, Divisão de Itatiba, mas não dá condições mínimas de trabalho: faltam EPIs, como calçados, uniformes, blusas, guarda-chuvas, capa para chuva, protetor solar: EPC’s, como coletores, cabo de transferência de dados (funcionários usam do próprio celular), um absurdo!

A empresa também deixou de depositar o vale-refeição aos TAC (leituristas) e extrapola na quantidade de leituras para os trabalhadores. A Sabesp tem uma orientação de fazer no máximo 280 leituras com entrega de conta e a empresa terceirizada os obriga a fazer até 500 leituras, em muitos casos na prancheta, aumentando ainda mais o serviço que depois deve ser repassado para os coletores para descarregar os dados no sistema.

Oito leituristas resolveram reclamar das condições de trabalho e foram demitidos, deixando a cidade inteira sem mão de obra. Os funcionários da Sabesp foram obrigados a saírem a campo. Além de Itatiba, esta mesma situação acontece também nas Divisões de Hortolândia e Campo Limpo Paulista.

A sede da empresa fica em Fortaleza- CE, está com aproximadamente 40 funcionários na RJ lançados à própria sorte. Por essas e outras que o Sintaema é contra a terceirização e continuará registrando sua indignação.

Compartilhe agora com seus amigos
TwitterFacebookWhatsApp

Voltar ao Topo