Resultado da pesquisa aponta para o fim do salário regional, mas Sabesp não admite. Vamos à luta!

Publicado em 25/02/2014 00:00

Tamanho da fonte:

A tão esperada apresentação dos resultados dos estudos realizados pela FIPE sobre a equalização do salário regional aconteceu na manhã de hoje (25), e deixou evidente o que já sabíamos: não há argumentos para continuar com o salário regional na empresa, ou seja, a diferença do custo de vida dos trabalhadores da Região 1 com os da Região 2 são insignificantes.

Um exemplo desta constatação é que, de acordo com os estudos, o custo de vida em Botucatu é maior que em São José dos Campos e Caraguatatuba. Ou seja, o estudo apresentado comprova que não há justificativa plausível para continuar com esta discriminação salarial.
Os números apresentados evidenciam que a diferença de custo de vida é de apenas 3,4% entre região 1 e 2, visto que a média na região 1 é de 0,90 e na região 2 é de 0,87.
Acompanhe: 0,90 ( media região 1) = 100%
0,87 ( media região 2) = X
0,9 x X = 0,87 X 100
X = 96,666

Mesmo com esta evidência, de que o salário regional não se sustenta, a Sabesp limitou-se a apresentar os resultados, e em nenhum momento sinalizou qualquer mudança.
Diante deste quadro de descaso com os quase 4 mil trabalhadores que sofrem esta discriminação, o Sintaema só vê uma saída: intensificar a luta pela isonomia salarial na Sabesp.

PELO FIM DO SALÁRIO REGIONAL!
ASSEMBLEIA DIA 10 DE MARÇO, ÀS 18H, EM BOTUCATU



Compartilhe agora com seus amigos
TwitterFacebookWhatsApp

Voltar ao Topo