Assembléia para os trabalhadores em escala de revezamento

Publicado em 16/11/2004 00:00

Tamanho da fonte:

A intransigência e indisposição da Sabesp em negociar com o Sintaema a campanha salarial data-base de 99 ou ainda de desrespeitar o julgamento do Tribunal Regional do Trabalho trazem prejuízos aos trabalhadores da empresa e em particular aos que cumprem escala de revezamento. Diante da facilidade em ter FHC na Presidência da República e de sua influência sobre o Tribunal Superior do Trabalho, não foi difícil para a Sabesp obter o efeito suspensivo em Brasília e com isso, em janeiro de 2000 suprimir vários benefícios. Em que pese a reconstrução do acordo nos últimos dois anos, graças a muita luta e perserverança, ainda há pendências importantes, como a escala de revezamento com o adicional de turno de 30%. Vale dizer que os trabalhadores não enfrentaram este golpe da Sabesp com passividade, ao contrário, participaram ativamente de todas as iniciativas do Sintaema. Os trabalhadores em escala deram à empresa uma demonstração de responsabilidade e profissionalismo, já que os serviços de água e de esgoto não sofreram interrupção, foram constituídas equipes mínimas e os demais continuaram o movimento reivindicatório, e participavam das assembléias específicas convocadas pelo Sintaema. Sentindo a disposição de luta e revolta dos trabalhadores, a direção da Sabesp aleatoriamente incorporou parte da perda ao salário base e ofereceu empréstimos emergenciais aos trabalhadores em situações críticas geradas pela própria direção da empresa. Vale dizer que dos inúmeros pedidos encaminhados nenhum foi atendido. Ao sentir-se desobrigada do pagamento do Adicional, inaugura-se na Sabesp o festival de movimentação de funcionários do horário de revezamento para horário comercial, e vice-versa. Diante de outras ações promovidas em 2002 o Ministério Público do Trabalho através da Procuradoria Regional do Trabalho-2ª Região – a coordenadoria da Defesa dos Interesses Difusos e Coletivos, propõe que a Sabesp e o Sintaema se empenhem e que no prazo de 60 dias retornem e apresentem a proposta acertada para homologação. Demonstrando uma vez mais sua irresponsabilidade e desrespeito aos trabalhadores e às autoridades constituídas, a direção da Sabesp ignorou o expediente. Diante de novas irregularidades que surgiram ao longo do tempo, o processo é encaminhado para a Promotoria do Meio Ambiente através de Inquérito Civil em fase de distribuição. Porém, a morosidade da tramitação impõe ao sindicato a necessidade de convocar os trabalhadores em revezamento para assembléia específica, onde serão deliberados os encaminhamentos que se fizerem necessários. Assembléia: dia 7 de dezembro, às 16 horas na sede

Compartilhe agora com seus amigos
TwitterFacebookWhatsApp

Voltar ao Topo