Após morte de trabalhador, Sintaema (SP) volta a criticar tercerização na Sabesp

Publicado em 09/11/2012 00:00

Tamanho da fonte:

Na última terça-feira (06), um funcionário de uma empresa terceirizada que presta serviços para a Sabesp, cujo nome não foi divulgado, morreu soterrado durante uma obra realizada pela companhia na Cidade Dutra, zona sul de São Paulo. Diante do ocorrido, o Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente do Estado de São Paulo (Sintaema) se manifestou em solidariedade à vítima e fez duras críticas à companhia estadual.

Logo após o acidente, os bombeiros tentaram o resgate, mas constataram que a vítima estava sem vida quando foi retirada do meio da terra. Em nota, a Sabesp lamentou a morte do funcionário e informou que irá apurar os fatos e responsabilidades.

Mas o que está acontecendo ao longo do tempo é que a terceirização está causando uma grande precarização nas formas de trabalho e quem está sofrendo as consequências são os trabalhados. “Esse acidente demonstra o alto grau de precarização dentro da Sabesp, sob o governo do PSDB, que vem registrando um alto índice de acidentes nas empresas terceirizadas. Sendo que ao total são em torno de 7.400 funcionários terceirizados prestando serviços para a Sabesp”, comenta Rene Vicente, presidente do Sintaema.

Se não bastasse a terceirização que deixa os trabalhadores vulneráveis, tem ocorrido também a prática da quarterização (quando o tomador contrata uma empresa de prestação de serviços, que, por sua vez, contrata outra companhia para fornecer pessoal necessário à execução do contrato). "Esse fenômeno está aumentando a cada dia e também preocupa o sindicato. Com a terceirização e a quarterização, o sindicato acaba não tendo controle sobre o que acontece com os trabalhadores, devido à falta de dados. Outro agravante é que  muitos acidentes acabam fugindo da alçada do saneamento básico e entrando na questão da construção civil. Ou seja, o sindicato fica sem ter condições de agir”, esclarece René Vicente.

Uma medida que poderia evitar muitos acidentes é a utilização dos equipamentos de proteção individual (EPI), mas segundo relata o sindicato, muitos desses equipamentos estão em péssimas condições de uso. Ainda há também a questão dos alojamentos, que em sua maioria tem estrutura precária.

Soma-se a isso o fato de que os trabalhadores que sobrevivem dentro desse contexto não conseguem se estabilizar em sua vida profissional, pois a insegurança e as más condições fazem com que esses eles se tornem nômades. “Para se ter uma ideia, em média um trabalhador terceirizado fica apenas dois anos na empresa que o contrata, sendo que um funcionário direto da Sabesp fica em torno de 12 anos na empresa”, finaliza René Vicente.

Portal CTB, com agências

Compartilhe agora com seus amigos
TwitterFacebookWhatsApp

Voltar ao Topo