Senado aprova reforma e impõe retrocesso histórico aos direitos da classe trabalhadora

Publicado em 12/07/2017

Tamanho da fonte:

O Sintaema esteve em Brasília com uma delegação para protestar contra a aprovação do texto destruidor de direitos e conquistas. Porém as manobras parlamentares para atender ao empresariado  não pouparam os trabalhadores desse retrocesso jamais visto na história. Nossos parabéns aos senadores da oposição que votaram contra o texto da REFORMA e à resistência das senadoras contra a votação.

 

Saiba mais na matéria do Portal CTB:

 

Após seis horas de interrupção, o presidente do Senado, Eunício Oliveira, retomou o comando da casa e deu início à votação do famigerado projeto de reforma trabalhista, o PLC 38/2017. Apesar de toda a resistência, a matéria foi aprovada por 50 votos a favor, 26 contrários e uma abstenção. Agora estão sendo analisados as emendas e destaques ao projeto.

Se nenhuma mudança for acatada pelos senadores, meta do governo e seus aliados, o texto final vai direto à sanção de Michel Temer. E assim, num evento improvável, uma matéria com mais de 200 destaques e que altera mais de 100 dispositivos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), legislação que norteia a relação de trabalho no país, passa a ter poder de lei em tempo recorde.

O dia todo em Brasília foi marcado por fortes protestos dentro e fora da casa parlamentar.

Logo na abertura da sessão, as senadoras da oposição obstruíram o início da votação e permaneceram seis horas na mesa presidencial, no escuro e sem som nos microfones. O ato de resistência contra o avanço da sessão foi recebido com irritação pelo presidente da casa, que ordenou o corte da eletricidade.

Do lado de fora, na entrada do plenário, lideranças do movimento sindical pressionavam exigindo autorização para acompanhar a votação da reforma, no que foram barrados pela polícia do Senado. E nos arredores do Congresso, manifestantes acampados protestavam contra o desmonte nos direitos trabalhistas.

O movimento sindical segue em vigília em Brasília. Em breve, mais informações.

Fonte: Portal CTB

 

Compartilhe agora com seus amigos
TwitterFacebookWhatsApp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao Topo